Estão sendo realizadas as primeiras oficinas com os jovens aprendizes indígenas e refugiados, no escritório local da SPDM, sob a coordenação Awaé Trumai Waura e Sonia Maria Lofredo (Tuka), cabe destacar a participação da jovem Josicléa Maria dos Santos Pankararu estudante do curso de Pedagogia como assistente das atividades.

Os objetivos foram traçados em uma construção coletiva e tem a função de estimular o controle social e um maior envolvimento dos jovens com suas comunidades, capacitando-os para elaborar projetos de intervenção social e direcionando-os para cursos preparatórios pré-vestibulares e universidades. Ao desenvolver capacidades, habilidades e potencialidades, contribuímos com o aprimoramento pessoal e profissional dos jovens no que tange sua estima, autonomia e liderança, elementos importantes para a inserção no mercado de trabalho.

 

Todos os objetivos do projeto atendem, ainda que de forma parcial, as necessidades dos jovens. É a partir delas que se definem as estratégias de atuação.

 

 

  

Josicléa auxilia os colegas a pensar os objetivos do grupo

 

O uso das dinâmicas é um pretexto para rodas de conversas sobre projetos de vida, sonhos e fortalecimento da identidade cultural.

 

                          Arielly  se apresentando ao grupo                                                                         “Eu morava no norte e andava a cavalo.” João Pedro

 

 

Tendo como referência o uso de imagens de artistas, os jovens se apresentam e falam do seu passado, presente e planos de futuro.

       

“Essa imagem me lembra as modificações sofridas na minha aldeia.” Antony  (Kaimbé)

 “Eu gosto de costuras, quero ser estilista.” Fortuna (Congo) “ Eu pescava na minha aldeia” Awaé (Trumai waura)

  

 

Os jovens falam que nossa oficina é um lugar para troca de experiências, expressões de ideias, aprendizagem e união.

 

Construção coletiva do “Mapa contextual” onde os aprendizes eram o público alvo. 

 

 

Dinâmica  Passado, Presente e Futuro com as etnias, Guarani, Kaimbé, Pankararu, Trumai, Pankararé e da República Democrática do Congo.

 

O desenho do mapa contextual foi feito com o esboço de quatro esferas ou triângulos concêntricos. Na parte mais interna, fizemos um levantamento dos problemas que afligem os jovens, seguida respectivamente do apoio de familiares, da comunidade e de fatores sócio políticos e econômicos que os influenciam.

  

 

No mapa foram consideradas pessoas, agentes e instituições como UBS, SPDM, CONDISI, além de temas como desemprego, violência, falta de transporte, áreas de lazer, drogas, motivação, conhecimento, comunicação, união, experiência e diversas outras palavras de modo a favorecer o reconhecimento desses atores com quem vamos potencialmente estabelecer relações no âmbito desse seu projeto, estimulando o senso crítico para que os jovens possam trazer proposições e soluções para fatores que afetam seu desenvolvimento.

 

                 Antony Ribeiro e Júlio César montando o mapa contextual.                            Josicléa e Fortuna incrementando o Mapa Contextual.

   

O mapa contextual elaborado nessa fase será retomado e enriquecido em outros momentos conforme for sendo desenvolvido nosso trabalho.

 

Participantes:

Antony Ribeiro (Kaimbé)
Arielly Pereira (Pankararé)
Dandara Amanda (Pankararu)
Ediele da Silva (Pankararu)
Emily dos Santos( Pankararu)
Estefani de Jesus (Pankararu)
Ewerton Lucas( Pankararé),
Fortuna Mwamba Kasiama (República Democrática do Congo),
João Pedro Vercelino (Pankararu),
Josicléa Maria dos Santos (Pankararu)
Julio Cesar da Silva Rocha (não indígena)
Larissa Torres( Pankararu),
Pedro Henrique da Silva (Pankararé)
Reinaldo Wera (Guarani)
Talita Aline (Pankararu).
Vitor Manoel (Pankararé).
Karolaine Nascimento (Pankararu)